Mulheres em perspectiva: trajetórias, saberes e resistências na Amaz. Oriental

REF: 9788578033651
R$ 39,00Preço

De Idelma Santiago da Silva (organizador)

 

Marabá, quarta-feira, 17 de abril de 1996. Nesta data, o anoitecer trouxe consigo, na carroceria de um caminhão, 19 corpos de trabalhadores rurais assassinados pela Polícia Militar do Pará. Enquanto os corpos dos trabalhadores eram despejados no Instituto Médico Legal (IML) e seguiam-se as autópsias, a escuridão noturna se intensificou: as repentinas ausências de energia elétrica no lugar forçaram os médicos a realizar a perícia com lanternas, dividindo o espaço com os policiais militares comandados pelos algozes da “Curva do S”. Ali, estava em andamento a tentativa da segunda morte, o acobertamento do crime sob o manto do esquecimento (NEPOMUCENO, 2007: 110-113). A escuridão prosseguia implacável. Naquela mesma noite, os sobreviventes que saíram da mata e se deslocaram da “Curva do S” para a cidade de Eldorado dos Carajás, também sem energia elétrica, foram intimidados por policiais que ficavam próximos aos leitos e macas do hospital noite adentro (GUEDES, 2002). A escuridão, aqui entendida como um símbolo do acobertamento da violência, do silenciamento e do esquecimento opressor, também pode ser convertida, em determinadas circunstâncias, em estratégia de resistência. Como pode ser isso possível? O relato da proessora e militante Deusamar Sales, desde 1994 presença constante nas fileiras do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), talvez ensine que a luta contra o esquecimento é a luta pelo direito de evocar uma lembrança, sempre com outra perspectiva.

[ED. 2017]

Informações
Outros serviços